sexta-feira, 3 de outubro de 2014

A IGREJA E A SOCIEDADE DE CONSUMO
A igreja e a sociedade pós-moderna de consumo e um dos temas relevantes para todos nos cristãos do século XXI. A real condição consumista do sistema capitalista e globalizado atual, também tem entrado em nossas igrejas e teologia, principalmente em cima de nossos púlpitos. A dita teologia da prosperidade consumista, ou seja, neo-pentecostal, traz uma louca e desenfreada ganância no meio do povo de Deus para consumirem tudo, ou seja, Deus lhe prospera em tudo principalmente no lado financeiro. Quando mais você de ofertas (chamada de sacrifícios financeiros) mais você será um crente abençoado por Deus (segundo eles!) mais a realidade e outra, por detrás desta doutrina teológica segue-se um povo consumista e obcecado pelo consumo, que na verdade e produto e influenciado pela mistura: globalização-capitalismo-pragmatismo e outras aberrações.
Algumas seitas ou desculpe, algumas igrejas lideradas por seus lideres determinam o grau de intimidade com Deus, com o número de bens que seu discípulo possui, ou seja, se anda de carro novo e prospero esse discípulo está em plena comunhão com Deus. Se algum discípulo de sua igreja não e prospero (anda de ônibus ganha um salário mínimo etc), e esse tal esta com a vida no pecado ou não tem fé suficiente para se prospero. Jesus diz: “Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens” (Lc 12:15).
Um dia desses li um comentário de um líder religioso de certa cidade (pobre porem humildade), que estava comentando que tal município estava sendo abençoado por Deus por ele (líder religioso) ter visto um carro importado na rua. Note: a cidade esta cheia de buracos, criminalidade em alta, desemprego e corrupção em todos os setores da sociedade local. E simplesmente por ver um carro importado este tal profeta da economia capitalista diz que sua cidade esta abençoada? Esta é a visão da maioria dos evangélicos contemporâneos de nosso BRASIL GOSPEL BRASILEIRO....
Mas, o que realmente o senhor Jesus Cristo diz a respeito do consumo desenfreado, da aquisição de bens e riquezas nesta terra, será que a Bíblia diz realmente que todos que vierem a Cristo serão ricos neste mundo? Que carros, casas, luxo, dinheiro e prosperidade financeira realmente são sinônimos de vida com Deus? Você não pode trabalhar buscando somente as riquezas ao ponto de estragar seus relacionamentos familiares e seu desenvolvimento espiritual e ministerial.
Para não pecar e colocar experiências humanas, pois certa feita o grande reformado protestante Martinho Lutero disse: "Qualquer ensinamento que não se enquadre nas Escrituras deve ser rejeitado, mesmo que faça chover milagres todos os dias".   Vamos pesquisa o manual verdadeiro de tudo cristão autenticado por Deus; a Bíblia Sagrada.
Segundo o estudioso Rousas J. Rushdoony: “A riqueza é moralmente boa, mas é um bem subordinado, um meio para uma vida melhor, e não um fim em si mesmo. E ela é muito incerta para ser o objetivo da vida (Mt 6:19s.), e a riqueza pode co-existir com a pobreza de alma (Lc 12:16-21;14:18s.; Mt 22:6s). Assim, a riqueza tem perigos morais quando ela se torna primária, e não secundária na vida de um homem. Não é o dinheiro que é a raiz de todos os males, mas “o amor ao dinheiro”, e a cobiça por dinheiro com esse amor pervertido é citado como pecado por Paulo (1Tm 6:10). Os socialistas podem ser tão culpados de “amor ao dinheiro” como qualquer outra pessoa. Dessa forma, riqueza e prosperidade podem ser perigosas, se os homens fazem dela o objetivo da vida, se eles as idolatram”.[i]

 Nos pastores da última hora devemos conscientizar o povo de Deus a se contenda com o que tem, e buscar como primícias o Reino de Deus (Mt 6:33). Para o reformador João Calvino a riqueza residia em não desejar mais do que se tem e a pobreza, o oposto. O dinheiro não é a verdadeira riqueza, mas Deus tem riquezas verdadeiras para você no céu. Você já pensou; porque Deus deveria lhe confiar às verdadeiras riquezas se você não foi fiel na aplicação das riquezas terrenas?

A única e verdadeira fonte de riqueza e prosperidade foi e sempre será a vontade de Deus em nossas vidas; regenerada pelo Espírito Santo. Não devemos se contra a prosperidade financeira, pois a riqueza em seu sentido divino tem que se para a glória de Deus! “Nossa cobiça é um abismo insaciável, a menos que seja ela restringida; e a melhor forma de mantê-la sob controle é não desejarmos nada além do necessário imposto pela presente vida; pois a razão pela qual não aceitamos esse limite está no fato de nossa ansiedade abarcar mil e uma existências, as quais debalde sonhamos só para nós.” [ii]

Por: Reverendo Silvio Ribeiro




[i] Cristianismo & Capitalismo, Autor: Rousas J. Rushdoony
(originalmente publicado na década de 1960, Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto; monergismo.com Dezembro/2008).

[ii] João Calvino, As Pastorais, (1Tm 6:7), pág. 168.